Pernambuco

Pernambuco registra mais três casos da Febre do Oropouche

pernambuco-registra-mais-tres-casos-da-febre-do-oropouche
Pernambuco registra mais três casos da Febre do Oropouche
mosquito 1

” data-image-caption data-medium-file=”https://i0.wp.com/pernambuconoticias.com.br/wp-content/uploads/2024/06/mosquito-1.jpg?fit=514%2C400&ssl=1″ data-large-file=”https://i0.wp.com/pernambuconoticias.com.br/wp-content/uploads/2024/06/mosquito-1.jpg?fit=640%2C498&ssl=1″ tabindex=”0″ role=”button” src=”https://i0.wp.com/pernambuconoticias.com.br/wp-content/uploads/2024/06/mosquito-1.jpg?resize=640%2C498&ssl=1″ alt=”mosquito 1″ data-recalc-dims=”1″>

O Laboratório Central de Pernambuco (LACEN PE) confirmou mais três casos da febre Oropouche em Pernambuco, nesta quinta-feira (27/06). O vírus Oropouche isolado foi identificado em um homem e duas mulheres nos municípios de Camaragibe, Timbaúba e Jaqueira. Com os exames positivos, até o momento, o Estado registrou nove casos da febre.

As confirmações são realizadas através do exame de PCR em tempo real. Após resultado negativo de amostras testadas para Dengue, Zika e Chikungunya, é realizada a análise para Oropouche. Todo o procedimento segue as orientações do Ministério da Saúde.

De acordo com a diretora do Lacen, Keilla Paz, é muito importante realizar os testes. “O resultado traz um alerta sobre a importância da vigilância laboratorial que deve funcionar de forma rotineira para identificação de arbovírus circulantes na região, que muitas vezes são subnotificados nos sistemas de vigilância em saúde pública”, ressalta a diretora.

A febre Oropouche pode ser provocada por dois vetores bem conhecidos da população local: o maruim e a muriçoca. “Diferente da Dengue, Zika e Chikungunya, cujo vetor é o Aedes aegypti e o ciclo se dá prioritariamente em água limpa, o maruim e a muriçoca possuem preferência por água com muito material orgânico, seja de mangues, córregos, alagados e até de despejo sanitário. O enfrentamento químico com larvicidas e outros produtos não é efetivo neste caso”, explica o diretor geral de Vigilância Ambiental, Eduardo Bezerra.

Prevenção – A atividade desses insetos se dá com maior intensidade na penumbra, isto é, no amanhecer e no anoitecer. Desta maneira, a adoção de proteção como telas e mosquiteiros, uso de roupas que protejam pernas e braços, além do uso orientado de repelentes, são necessários para evitar a investida dos vetores.

Fonte: pernambuconoticias.com.br

Tags