Blog

Cachorros levam alegria e diminuem o estresse no Hospital dos Servidores do Estado

equipe do hse 1

” data-image-caption data-medium-file=”https://i0.wp.com/pernambuconoticias.com.br/wp-content/uploads/2024/06/equipe-do-HSE-1.jpg?fit=600%2C400&ssl=1″ data-large-file=”https://i0.wp.com/pernambuconoticias.com.br/wp-content/uploads/2024/06/equipe-do-HSE-1.jpg?fit=696%2C464&ssl=1″ tabindex=”0″ role=”button” src=”https://i0.wp.com/pernambuconoticias.com.br/wp-content/uploads/2024/06/equipe-do-HSE-1.jpg?resize=696%2C464&ssl=1″ alt=”equipe do hse 1″ data-recalc-dims=”1″>

Uma vez por mês uma turma para lá de especial irá fazer uma visita aos pacientes do Hospital dos Servidores do Estado (HSE). São eles:  Dom, Surf, Gibbs, Thor, Leo e Aurora. Cães da raça Golden retriever, que fazem parte do Programa de Apoio Assistidos por Animais (PAAA). Uma parceria entre o HSE e Projeto ParcerIAA – Intervenção Assistida por Animais.

No primeiro dia do projeto Dom, Surf e Thor, chegaram com suas bandanas (a farda de trabalho deles). Esperando ansiosamente pela visita estava a aposentada Marilene Rocha Cavalcanti, de 75 anos. “Estou esperando por eles desde cedo”. Extremamente feliz, a paciente alisou os cachorros, deu ração e se emocionou ao falar do seu cachorro. “Estou com saudades do meu cãozinho. Com essa visita estou tão feliz, que por um instante até esqueci que estava em um hospital”, disse. Marilene está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), desde o dia 28 de maio, tratando uma doença pulmonar.

Os animais visitaram além da UTI Geral, o setor de oncologia, a Geriatria e o internamento geral. Por onde passavam olhos atentos e sorrisos os seguiam. Acompanhantes, funcionários e pacientes de ambulatórios, se rendiam à visita canina. “O bem-estar vai além do paciente. A ideia é trazer leveza, motivação de um modo geral, para o ambiente hospitalar”, afirma Cássia Leoncio, psicopedagoga e idealizadora do ParcerIAA.

A ideia de levar o projeto para o Hospital partiu do setor de fisioterapia. “Um de nossos pacientes, que estava em estado avançado de um câncer, disse que queria ver seu cão. Trouxemos o cão, durante o passeio terapêutico que fizemos no jardim do hospital e vimos o bem que aquele momento propiciou. Foi quando procuramos esse projeto para fazer uma parceria”, explicou o Gestor do Núcleo da Saúde Funcional do HSE, Ery Magalhães.

Antes de receber a visita dos animais é feita uma triagem dos pacientes que estão aptos e querem receber o animal. “É analisado se os pacientes possuem condição médica, se possuem alergia, como está seu sistema imunológico, e, claro, se gostam de cachorros”, salienta Ery.

Para o diretor médico do HSE, Rogério Ehrhardt, a terapia com animais tem o intuito de melhorar o estado emocional do paciente diminuindo a ansiedade e o estresse com o internamento. “Além de melhorar o emocional dos nossos pacientes, em alguns casos ajuda a diminuir a dor pela liberação de hormônios, e trazem um pouco de alegria no tratamento tão sofrido quanto o oncológico. É mais um benefício para os nossos doentes”, salienta.

Esse benefício foi visto e sentido por Helena Maria de Oliveira, de 82 anos. Internada há um mês, tratando um câncer, ela teve uma tarde diferente. “Essa visita me trouxe tanta felicidade. Poder ver essas carinhas lindas e alisar o pelo deles me deu um novo ânimo”. A filha e acompanhante da idosa, Joselena de Oliveira, elogiou o trabalho. “Atividades como essa mudam a rotina do paciente e a nossa. Deixa o ambiente mais leve”.

Sempre acompanhados por seus tutores, os cães permanecem todo o tempo na guia (tipo peitoral) e todos são adestrados. Da mesma forma que é feita com os pacientes, também é feita uma triagem com os cães. Eles precisam estar aptos para entrar em unidade de saúde. “Mostramos o certificado de vacinação, exames de fezes, mostrando que estão livres de verminoses e levamos lenços umedecidos para limpar as patas dos animais antes de entrar na instituição”, explica a coordenadora do ParcerIAA, Cássia Leoncio.

Neste primeiro momento o projeto acontecerá um sábado por mês, no período da tarde, com duração máxima de duas horas, respeitando sempre as necessidades dos pacientes e animais. A contrapartida do Hospital, ficou em custear o banho e o transporte dos animais. 

Fonte: pernambuconoticias.com.br