Blog Caue Rodrigues

Em Carnaíba, Paroquia de Santo Antônio e São João Vianney celebra missa da Memória da Virgem Maria

em-carnaiba,-paroquia-de-santo-antonio-e-sao-joao-vianney-celebra-missa-da-memoria-da-virgem-maria
Em Carnaíba, Paroquia de Santo Antônio e São João Vianney celebra missa da Memória da Virgem Maria

  

Na noite desta segunda-feira, dia 20, foi celebrada na Igreja Matriz de Santo Antônio e São João Maria Vianney a Santa Missa da Memória da Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja, sendo também em Ação de Graças pelos 79 anos da Paróquia.

A celebração eucarística foi presidida pelo nosso pároco, Pe. Miguel Nunes e contou com grande participação dos paroquianos.

Ao final da celebração, os Coroinhas prestaram uma linda homenagem a Nossa Senhora.

Continue lendo após a publicidade

A memória da Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja, recorda-nos que a maternidade divina de Maria se estende, por desejo de Jesus, à maternidade humana, ou seja, à própria Igreja, mediante um ato de consagração.

Em 2018, o Papa Francisco introduziu a celebração desta memória na segunda-feira, após a solenidade de Pentecostes, dia em que a Igreja nasceu. Este título dado a Maria não é novo. Em 1980, São João Paulo II convidou os fiéis a venerar Maria como Mãe da Igreja. Antes dele, em 21 de novembro de 1964, São Paulo VI, na conclusão da terceira sessão do Concílio Vaticano II, declarou que a Virgem é “Mãe da Igreja”.

Mais tarde, em 1975, a Santa Sé propôs a celebração de uma Missa votiva em honra da Mãe da Igreja, mas, não entrou no calendário litúrgico. Além dessas datas, não podemos esquecer quanto o título de Maria, Mãe da Igreja, esteve presente na sensibilidade de Santo Agostinho e São Leão Magno; de Bento XV e Leão XIII, até nossos dias, quando, em 11 de fevereiro de 2018, por ocasião do 160º aniversário da primeira aparição da Virgem em Lourdes, o Papa Francisco tornou obrigatória a memória da Virgem Maria, Mãe da Igreja.

Estavam de pé, junto à cruz de Jesus, sua Mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Quando Jesus viu sua Mãe e, perto dela, o discípulo que amava, disse à sua mãe: “Mulher, eis aí teu filho”. Depois, disse ao discípulo: “Eis aí tua Mãe”. Desde então, o discípulo a acolheu em sua casa” (Jo 19,25-27).

Aos pés da Cruz

Maria “estava” aos pés da Cruz de Jesus. “Estava” é um verbo que indica presença, continuidade, modo de participar. Ao contrário dos discípulos, Maria acompanhou seu Filho Jesus ao longo da Via Sacra. Maria enfrentou aquele momento com grande dignidade, sem nunca fugir dos acontecimentos da vida. Ela estava ali. Por isso, ”Jesus confiou o discípulo amado à sua Mãe” e vice-versa.

Fonte: blogdocauerodrigues.com.br